Volta às aulas?!

 Volta às aulas?!

As aulas estão suspensas desde março, devido à pandemia, porém, já existe um estudo para retorno às aulas

Com a reabertura do comércio em várias cidades e o retorno gradual da rotina da população em Minas, aumenta a ansiedade de estudantes, pais de alunos e donos de escolas para a volta das aulas presenciais, mais o cenário é incerto, tanto na rede pública quanto na rede particular.

No caso das escolas estaduais já existe estudo para o retorno dos alunos, porém, sem data definida ainda, como explica a Subsecretária de Desenvolvimento da Educação Básica da Secretaria de Educação Geniana Guimarães Faria:

“Nós já estamos um planejamento a partir de alguns estudos para essa possível retomada de atividades presenciais, nós ainda não temos data, isso tudo depende muito então, de como a curva e esses indicadores irão se comportar”.

Aulas presenciais nos colégios particulares também seguem sem previsão de retorno em Minas Gerais, mesmo com pedidos feitos ao governo estadual pelo sindicato, as escolas particulares ainda seguem aguardando, a presidente do SINEP, o sindicato das escolas particulares de Minas, Zuleica Reis, explica e faz uma avaliação das aulas online:

“O Sindicato das Escolas Particulares do estado de Minas Gerias fez uma parceria com a Associação Mineira de Epidemiologia e Controle de Infecções e encaminhou um estudo para o Comitê do Estado, para que as escolas possam ter condições de se organizar com antecedência para receber os alunos presencialmente, porém, ainda não temos nenhuma sinalização à respeito de uma possível data de retorno das aulas.”

Devido à pandemia, o retorno às aulas nas duas redes, tanto pública quanto particular, acarretará, muito provavelmente, na perda do recesso coletivo de dezembro e em 15 dias, no mínimo, do mês de janeiro, que já é conhecido por ser o mês de férias dos estudantes, a reposição será revista dentro do calendário de 2020, que tem os recessos e feriados.

Não foram apenas os colégios particulares e escolas públicas a serem prejudicados pela pandemia, entretanto, é um segmento que preocupa muito a todos, principalmente aos pais e responsáveis pelas crianças, jovens e adolescentes, pois o futuros desses dependem, na íntegra, dessa formação adquirida nessas primeiras fases da vida. A escolha de uma profissão, que será para o resto da vida, tem embasamento técnico e prático fundamentados nesses anos escolares, e com a não efetivação dos mesmos, os prejuízos para os estudantes podem ser incalculáveis.

Aqui em Minas já está em fase de elaboração pela Secretaria de Estado de Educação os protocolos para uma possível retomada das atividades presenciais nas escolas; as aulas, no entanto, que estão suspensas desde março, devido à pandemia, ainda não tem data para voltar.

Após encontro com o governo do estado a esperança se levanta aos representantes de escolas particulares para retomar as atividades numa expectativa de poder oferecer, ainda neste ano, a opção de pais deixarem os seus filhos nas escolas, sem ainda definir data, ficou acertado que nos próximos dias, o comitê COVID-19 de Minas, deve incluir as escolas particulares no programa Minas Consciente de forma à priorizar a educação infantil.

Decisão essa que interfere diretamente em Bocaiuva por fazer parte do Programa Estadual, Minas Consciente, que avalia de maneira estadual e por micros e macros regiões do estado, através de ondas de avanço do vírus, a real situação e segue liberando segmentos da sociedade e comércio de maneira que possam começar voltar à rotina normal.

A esperança do segmento educacional particular está pautada no retorno ainda este ano das aulas, não se tem data prevista ou mês sugerido, entretanto, indiferente do mês que se retorne as aulas presenciais, o objetivo é tentar salvar o que se pode do ano letivo, cabe às escolas conseguirem se adequar com o tempo que lhes for dado para passar o conteúdo na íntegra para o aprendizado do aluno.

As escolas públicas ainda não tem nenhuma previsão de retorno das suas atividades presenciais, uma vez que o controle no que se refere ao contágio do vírus, é muito mais precário comparado aos que as escolas particulares vem apresentando, através de relatórios e estudos ao governo, mediante um investimento massivo em equipamentos que possibilitem um controle efetivo da disseminação do coronavírus em suas dependências, sendo assim, as atividades nas escolas particulares voltarão bem antes do que as da escola pública.