Surdo diz ter sido impedido de entrar em supermercado por causa de máscara transparente de plástico: ‘Me senti excluído’

 Surdo diz ter sido impedido de entrar em supermercado por causa de máscara transparente de plástico: ‘Me senti excluído’

Situação aconteceu em Curitiba; a Anvisa reconhece importância de máscaras inclusivas e orienta que elas sejam fabricadas de modo que fiquem justas no rosto.

Em uma das idas ao supermercado em Curitiba junto com a esposa, Alisson Fernandes dos Santos, de 43 anos, foi impedido de entrar no local porque usava uma máscara de proteção transparente feita de plástico PETG. Alisson é surdo, e este modelo de máscara permite a leitura labial.

Empório Natural

“Me senti excluído”, afirmou Alisson, que é doutor em bioquímica.

A situação aconteceu em 13 de agosto e foi contada ao G1 pelo Alisson e pela esposa dele, a professora Aline Gonçalves dos Santos, de 39 anos.

“Logo na entrada, fomos em direção à medição de temperatura que eles fazem e já veio o segurança imediatamente, nos barrou na entrada e falou que não podia entrar com aquela máscara”, disse Aline.

Aline também usava a máscara de plástico, pois, auxilia na comunicação dela com o marido.

Alisson não fala a Língua Brasileira de Sinais (Libras), portanto, depende da leitura labial. Aline explicou isso ao segurança e ainda falou que se tratava de uma máscara inclusiva.

O segurança alegou, segundo o casal, que esse tipo de máscara não fazia a contenção da saliva.

O casal disse que a estrutura da máscara é fechada tanto na lateral quanto nas partes superior e inferior. Como ela é transparente, fica mais difícil perceber que tem essas barreiras.

De acordo com Aline, o segurança os levou até a bancada onde há um cartaz sinalizando quais máscaras são permitidas. Ela voltou a dizer que Alisson é surdo, mas o segurança não permitiu a entrada deles.

“Nem ofereceram uma alternativa, de repente chamar outra pessoa para conversar ou pedir para um funcionário acompanhar. Nada. Simplesmente assim: ‘não vão entrar'”, contou Aline.

O caso aconteceu no Angeloni Supermercado, na unidade do Bigorrilho. O G1 entrou em contato com o estabelecimento para comentar o assunto, mas, não teve retorno até a publicação desta reportagem.

Fonte: G1