Psicólogo na Escola?

A Psicologia Escolar, enquanto campo de produção científica e de atuação profissional do psicólogo se caracteriza pela inserção da Psicologia no contexto escolar, com o objetivo de contribuir para a promoção do desenvolvimento, da aprendizagem e da relação entre esses dois processos.

banner

Por muito tempo, coube ao psicólogo escolar classificar os alunos com dificuldades escolares e propor métodos especiais de educação, tentando ajustá-los aos padrões de normalidade aceitos socialmente. Entretanto, a partir do afastamento em relação à postura adaptativa e corretiva, a Psicologia Escolar tem buscado solidificar uma atuação de caráter preventivo e relacional que se sustenta muito mais em parâmetros de sucesso do que de fracasso.

O fracasso escolar carrega, em sua base, a responsabilização ou culpabilização do próprio aluno e à sua família, das dificuldades que vivencia em relação ao aprendizado escolar, enfatizando as limitações e deficiências que, supostamente, o aluno teria. A cultura do sucesso escolar, por outro lado, privilegia as potencialidades e possibilidades em vez dos problemas e dificuldades, focaliza as diferentes alternativas individuais e coletivas de superação das adversidades, valoriza as diferenças, a heterogeneidade e as diversas formas de aprender, pensar e estar no mundo. Nesse sentido, a Psicologia Escolar tem buscado consolidar uma atuação que se baseia em crescimento e sucessos dos atores escolares.

Nessa nova perspectiva de atuação, tenta-se criar espaços de interlocução com todos os atores escolares, incluindo e acolhendo os diferentes segmentos que participam e constroem o cotidiano escolar. A Psicologia Escolar tem construído atuações que buscam não somente focalizar o problema no aluno, ela tem se esforçado para integrar outras modalidades de trabalho que ampliem as possibilidades de sucesso dos atores envolvidos. Uma das novidades na prática da Psicologia Escolar é a participação do professor no processo de acompanhamento dos alunos quando dificuldades escolares são identificadas. A inserção desse profissional na parceria com o psicólogo escolar traz um importante diferencial às ações desenvolvidas nas escolas: a possibilidade dos professores se perceberem participantes ativos e co-construtores dos processos de sucesso escolar, à medida que se apropriam de sua função e responsabilidade profissional.

Outra frente de trabalho do psicólogo escolar junto aos professores é a atenção à sua saúde psíquica. Em virtude do forte vínculo afetivo, do intenso investimento no aluno e da expectativa em relação aos resultados de seu trabalho, é comum identificar professores cansados, abatidos e desmotivados diante da tarefa de ensinar. Tais situações caracterizam professores que sofrem da síndrome de burnout e que precisam da intervenção do psicólogo escolar, e de outros profissionais de saúde para modificar este quadro de sofrimento e reencontrar o prazer e alegria de ensinar.

Importante destacar que atuação da Psicologia Escolar na perspectiva preventiva, não se limita apenas às escolas, apesar do profissional da área ser comumente associado a ela, existem questões que permeiam o cotidiano da escola, como as dificuldades de aprendizagem, a relação professor-aluno, a inclusão escolar, a relação família-escola, a criatividade, entre outros.

Dessa forma, a Psicologia Escolar tem, entre os seus desafios, ampliar seu foco de atuação, pesquisa e produção de conhecimento para além da escola, pois diferentes contextos como creches e ONGs, por exemplo, e outros níveis do sistema educacional podem enriquecer-se do trabalho desenvolvido por profissionais e pesquisadores voltados à interface Psicologia-Educação.

Diante deste novo cenário que vem caracterizando a Psicologia Escolar contemporânea, espera-se construir ações diferenciadas e transformadoras que, além de promoverem o desenvolvimento e a aprendizagem de todos os envolvidos no cotidiano escolar, venham também a enriquecer esse campo do conhecimento.