Pelo Atlético-MG, Sampaoli busca 10º título de técnico argentino no Brasil e o primeiro em Minas

 Pelo Atlético-MG, Sampaoli busca 10º título de técnico argentino no Brasil e o primeiro em Minas

Galo precisa apenas de um empate contra o Tombense, no domingo, para levar a taça do Campeonato Mineiro 2020; treinador argentino não vence no Brasil desde 1975

O Atlético-MG começou 2020 com a missão de vencer o Campeonato Mineiro. Está perto de cumprir o objetivo inicial, ainda que o comandante tenha sido trocado. Jorge Sampaoli precisa apenas de um empate no domingo, diante do Tombense, para erguer a taça e se tornar o 10º técnico nascido na Argentina a colocar faixa de campeão no peito, no futebol brasileiro.

Empório Natural

“Ganhar um título, pra mim, seria um grande orgulho” (Jorge Sampaoli)

A grande atração do Galo na temporada chegou em março, com a equipe em sexto lugar na fase de classificação. Substituiu o venezuelano Rafael Dudamel, que não durou mais do que 10 jogos, acumulando também a eliminação na Copa do Brasil. O argentino irá para o 12º compromisso com o Galo, podendo alongar a curta lista de compatriotas campeões em solo brasileiro.

– (Ser campeão seria) uma alegria. Vim a este país a tratar de marcar um rumo de jogo, de ataque. A tratar que Brasil veja a possibilidade, com os bons jogadores que existem aqui, de encontrar uma filosofia diferente. Ganhar um título, pra mim, seria um grande orgulho – disse Sampaoli, após vencer o Tombense na ida, por 2 a 1, na última quarta.
Caso erga a taça estadual no domingo, no Mineirão, Sampaoli quebra uma escrita pessoal de cinco anos sem títulos (venceu a Copa América com o Chile em 2015) e outro jejum nacional de 45 anos. Um argentino não é campeão no Brasil desde o lendário ex-goleiro José Poy, no campeonato paulista de 1975. Em Minas Gerais, por exemplo, o título de Sampaoli seria inédito.
A última vez que um estrangeiro venceu o Campeonato Mineiro foi no século passado. Em 1999, o uruguaio Dario Pereyra foi campeão pelo Atlético. O Galo, inclusive, tem mais tradição de treinadores uruguaios do que argentinos. Sampaoli é o segundo argentino no cargo, na história do clube. O primeiro foi Gregório Suárez, em 1944.

Do Uruguai, o Galo já teve Diego Aguirre, Pereyra, Walter Oliveira (campeão em 1985), Ricardo Díez (tricampeão, em 1950, 1954 e 1955) e Félix Magno (bicampeão em 1946 e 1947).

Ricardo Diez merece um parágrafo à parte. Ele chegou ao Brasil em 1939, treinando diversos clubes. Veio para o Atlético e ficou marcado por comandar a equipe na excursão à Europa em 1950, no que foi considerada a digressão que abriu os caminhos do Velho Mundo ao futebol brasileiro. A viagem valeu “título” de campeão do gelo ao Galo, algo incluso no próprio hino.