Pandemia destrói 1 milhão de empregos na Espanha no segundo trimestre

 Pandemia destrói 1 milhão de empregos na Espanha no segundo trimestre

A grande maioria foi nos setores de serviço e turismo, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

A pandemia do novo coronavírus destruiu mais de 1 milhão de empregos na Espanha no segundo trimestre, a grande maioria nos setores de serviço e turismo, segundo dados divulgados nesta terça-feira (28) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa de desemprego subiu de 14,4% no primeiro trimestre para 15,3% no segundo, com quase 3,4 milhões de desempregados.

Mas esse número, que representa um aumento de 55.000 desempregados em relação ao trimestre anterior, não inclui grande parte dos quase 1,1 milhão de ocupados que perderam o emprego entre abril e junho devido à pandemia de Covid-19, que na Espanha causou mais de 28.400 mortes e 272.000 infectados.

O severo confinamento decretado para conter os contágios e o fechamento de empresas “impediram” essas pessoas de procurar um novo emprego, motivo pelo qual, tecnicamente, não atendem aos requisitos formais de classificação como desempregadas, explicou o INE.

O cálculo também não leva em conta os milhões de trabalhadores incluídos nos planos de suspensão temporária de emprego autorizados pelo governo espanhol para evitar demissões em massa durante o confinamento.

Como consequência, apenas 13,9 milhões dos 18,6 milhões empregados no país trabalharam “efetivamente” durante o segundo trimestre e o número de horas trabalhadas caiu 23% em relação ao período anterior, “uma redução sem precedentes”, indica o INE.