O intervalo curto prejudica seus resultados

Ainda hoje temos muitos professores nos salões das academias reduzindo o intervalo entre as séries dos alunos, por dois motivos: o primeiro é o de ganhar tempo na aula presencial e o segundo é a falta de teoria, pois acreditam que a hipertrofia máxima vem do menor intervalo, e infelizmente, isso prejudica o aluno e traz com isso a confusão de que a percepção de esforço (PSE) é essencial, o que não deveria ser.

Resumidamente, a Hipertrofia é um processo que provém de fazer o músculo experienciar a máxima tensão possível, o que quer dizer que o músculo precisa ser exposto a uma boa sobrecarga por um tempo sob tensão ou tempo sob máxima tensão.

Sabendo disso, quando você tem um intervalo inadequado, o tempo pelo qual o músculo passará trabalhando será reduzido, ou seja, com aquela determinada sobrecarga você não irá conseguir realizar o máximo de repetições possíveis, perdendo assim, algumas repetições por série. Na prática, basta analisar a quantidade de repetições que você fez na primeira, segunda e terceira série e irá concluir que elas reduziram. Sem contar a carga inadequada também.

A consequência é negativa para o volume load. Um dos impactos negativos é a perda de força no longo prazo e até mesmo no ganho de massa muscular ao comparar indivíduos que treinam com descanso longo e descanso curto. Imagine então para você, que treina com intervalos menores que 1 minuto e ainda por cima fazendo exercícios conjugados?

É possível e pode sim usar intervalos curtos em alguns exercícios específicos e de uso pontuais no treinamento, com fundamentação. Mas fazer o treino todo na base de intervalos curtos prejudica seu desempenho e sua estética física. A mal justificava usada por alguns professores nos alunos, com o intuito de “vender PSE”, aumentar exageradamente os exercícios por sessão e reduzir ao mesmo tempo o intervalo de descanso, está matando os seus resultados. Respeite a sua necessidade de descanso entre as séries para otimizar os seus resultados.