Inviável – Diz Secretária de Educação Municipal

 Inviável – Diz Secretária de Educação Municipal

AMAMS faz videoconferência sobre volta às aulas e 55 municípios, incluindo Bocaiuva, se opõem ao retorno

Governo de MG autorizou que crianças e adolescentes retornem às aulas presenciais a partir do dia 05/10, mas decisão final é dos prefeitos. Mesmo o retorno valendo apenas para os municípios na onda verde do Minas Consciente, como é o caso de Bocaiuva, as prefeituras estão inclinadas a não retornarem com as atividades presenciais, como comenta e explica a Secretária Municipal de Educação.

A Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (AMAMS) promoveu uma videoconferência para debater sobre o retorno das aulas presenciais após a autorização do Governo de MG para a retomada das atividades escolares.

Segundo a AMAMS, 56 secretários municipais de Educação participaram. Apenas São Francisco se posicionou de forma favorável, desde que os casos da Covid-19 não aumentem. A associação é composta por 86 municípios.

“Os prefeitos e secretários falam que não têm segurança para que esse retorno seja feito, além disso, os pais dos alunos estão com medo e ainda não querem que os filhos voltem para as escolas”, fala o presidente da Amams, Lara Batista Cordeiro.

Lara Cordeiro ainda cita que os municípios estão receosos quanto às dificuldades financeiras. Ele cita o exemplo do recurso da merenda, que está sendo usado para compra de kits de alimentação para os estudantes.

“A perspectiva é de que o retorno ficasse para o próximo ano, pelo pouco que tempo que falta para 2020 acabar.”

O retorno está autorizado pelo Estado, mesmo tendo pontos negativos e positivos  e com várias opiniões se divergindo, então a decisão final fica à cargo de cada município, e de acordo com a reunião da AMAMS, o retorno às atividades em sala de aula tem poucas chances de acontecer, como comenta Sivani Oliveira, Secretária Municipal de Educação de Bocaiuva.

“Embora o Estado tenha se manifestado a possível volta as aulas presenciais no dia 05 de outubro, eu como professora, vejo inviável neste momento. O município de Bocaiuva possuiu hoje 10 respiradores, não tem CTI, além de baixo estoque de medicamentos como os analgésicos, anestésicos e anticoagulantes; itens importantíssimos para a COVID 19, isso em todo território nacional.”
Comentou Sivani

A grande preocupação dos municípios, basicamente se dá em relação ao controle do contágio, ou seja, como manter o isolamento social dentro de uma escola ou sala de aula, com o acúmulo de pessoas o contágio seria desenfreado se, por ventura, apenas uma única pessoa fosse portadora do vírus, o que poderia sobrecarregar o sistema de saúde municipal, que já tem a sua própria demanda.

“Bocaiuva depende de Montes Claros, e, além disso, atende uma microrregião como Guaraciama, Francisco Dumont, Olhos D’Água, Engenheiro Navarro entre outras cidades vizinhas. Só a Educação Infantil mais de duas mil crianças, Ensino Fundamental I e II mais de mil, e assim vem as escolas estaduais com um número alto de alunos por turma. A principal medida de segurança é o distanciamento, impossível mantê-lo todo o tempo durante as aulas.”
Explica Sivani

A população em geral é uma preocupação constante de todas as autoridades, porém, a comunidade estudantil, nesse momento, é onde os olhos dos prefeitos e secretários estão mais voltados para autorizarem ou não o retorno das aulas presenciais, principalmente ao se considerar que o grupo de risco não poderá retornar às atividades normais mesmo com a retomada das aulas.

“A maioria dos servidores (professores e auxiliares de serviços da educação) fazem parte do grupo de risco, o que implica a ausência do mesmo durante as aulas presenciais, manutenção da limpeza constante na escola entre outros agravantes.” Sivani

Esperamos que tudo, não apenas na educação, volte ao normal o quanto antes, cada segmento da sociedade que tem suas atividades flexibilizadas pelas autoridades é um passo nesse sentido. E por mais que pais e alunos estejam ansiosos por esse retorno, existem prioridades que devem ser observadas com muito cuidado como comenta Sivani:

“Claro que as aulas presenciais seriam muito melhor que o trabalho remoto. Hoje os professores estão trabalhando bem mais que antes, mas sem a vacina é inviável o retorno as aulas presenciais. A vida é o nosso maior bem, portanto vamos preservá-la.”