Industrial Malvina, de grande produtora açucareira e etílica ao completo abandono

Bastante relevante para o desenvolvimento político, econômico e social da região a qual esteve inserida, onde atualmente encontramos apenas os restos, e principalmente da cidade de Bocaiúva que fora bastante beneficiada com as arrecadações provenientes da empresa.

Industrial Malvina S/A, que teve seu funcionamento no decorrer do século XX, com alternância de nome, de proprietários e de produção. Ela está localizada no Distrito de Engenheiro Dolabela, pertencente à cidade de Bocaiúva, no Norte do Estado de Minas Gerais.

No começo do século XX houve o processo de expansão da malha ferroviária federal, muitas localidades foram transformadas em canteiros de obras desse processo de interiorização e ligação regional. Conforme Lessa (1993), a ferrovia tinha sua imagem relacionada a ideia geral de circulação, proporcionaria o avanço da civilização e progresso econômico naqueles ambientes pouco afeitos a isso, estabelecendo redes de transporte que iam muito além de quaisquer limitações, sobretudo espaciais. Para a autora, as ferrovias representavam a possibilidade de superação de obstáculos por parte das sociedades, significavam levar o modelo de mundo urbano industrializado a todos os rincões.

Durante muito tempo a Industrial Malvina S/A foi responsável por parte significante da produção açucareira e etílica do Norte de Minas Gerais. Por várias décadas do século XX, a Malvina, que durante seu funcionamento polarizou a força de trabalho braçal, manteve sob seu controle um centro comercial para atender seus trabalhadores dos diversos setores e que atraiam também moradores das redondezas.

Hoje o lugar em muito se aproxima da imagem de filmes, uma vila semiabandonada, em que idosos e crianças convivem com o que restou daquilo que um dia foi um pujante centro produtivo.