Final de semana de adaptação

 Final de semana de adaptação

Muitos bocaiuvenses foram pegos de surpresa com o fechamento de supermercados e armazéns mais cedo no último sábado (01/08)

O último Decreto Municipal, nº 7631/2020, do dia 27 de julho, surpreendeu muitas pessoas, pois, por mais que tenha sido amplamente divulgado (inclusive o bocaiuvaonline, realizou essa divulgação na íntegra em nossa instagram), a maioria da população não tem o hábito de realizar a leitura na total do mesmo.

O Decreto trás algumas tabelas em anexo com os horários de funcionamento de empreendimentos particulares, e em uma primeira passada rápida de olhos, não se percebe muitas alterações de restrição, muito pelo contrário, a primeira impressão é de um relaxamento nessas restrições, pois os comércios que abriam às 08:00H passaram a abrir, de acordo com a necessidade de cada um, às 07:00H, mantendo o encerramento de suas atividades às 17:00H.

A grande novidade diz respeito ao funcionamento nos finais de semana e feriados de praticamente todos os empreendimentos. E isso pegou muitas pessoas de surpresa, pois estabelecimentos considerados essenciais e que em ainda não tinham sido tão afetados pelos decretos anteriores, sofreram alterações em seu funcionamento nos horários de maior movimento, principalmente para os trabalhadores, sendo que na maioria das vezes é impossível realizar suas compras de necessidades básicas, alimentos e higiene pessoais durante a semana, deixando a “feira” para ser realizada aos finais de semana.

Entretanto, dessa vez, não foi possível, pois o último decreto, que ainda está em vigor, determina o fechamento desses estabelecimentos às 13:00H no sábado e às 12:00H no domingo, conforme podemos observar na tabela abaixo que é um anexo do Decreto

Como podemos observar a lista é grande dos empreendimentos que tiveram seus horários de funcionamento alterados, basicamente aos finais de semana, e a lista continua nos outros anexos.

O objetivo principal do decreto é evitar que os bocaiuvenses saiam de casa nesses dias e horários que é onde havia a possibilidade de maior aglomeração, consequentemente diminuir o número de contágio.

Mais uma vez a população, para o seu próprio bem, é privada do seu direito mais sagrado, que é o de ir e vir; cabe a nós, cidadãos conscientes, entender o momento em que vivemos e nos manter isolados em nossas casas o máximo possível, pois assim, e somente assim, passaremos por esse período negro de nossa história e voltaremos o mais rápido possível às nossas atividades rotineiras.