Entrevista com o médico Dr. Ramon Apolinário

 Entrevista com o médico Dr. Ramon Apolinário

Amanhã, 26, Dr. Ramon Apolinário traz mais uma live de interesse comum à todos os bocaiuvenses.

O Dr. Ramon Gomes Apolinário é natural de Bocaiúva, tem 28 anos, reside e domicilia em nossa cidade, possui graduação em medicina e especialização em psiquiatria. E tem, mesmo que com a pouca idade, vários trabalhos relevantes em nossa cidade, além de uma infância nativamente interiorana:

Falar da minha infância é falar de futebol com os amigos, soltar pipa, ir pra roça, fazer aquelas brincadeiras antigas de crianças como esconde esconde, bater figurinhas e por aí vai. Tive uma infância muito boa, pela qual sinto muita saudade e sou muito grato a Deus por tudo”. Dr. Ramon

Já na sua juventude, Dr. Ramon percorreu os caminhos e sonhos da maioria dos jovens, com mais responsabilidade e com bastante força de vontade de vencer na vida, estudou, mas não deixjou jamais de viver a vida, viajar, festejar com os amigos, ir a igreja, jogar futebol, enfim, aproveitou ao máximo o que podia.

Dr. Ramon foi premiado com seu esforço e com as bençãos de Deus, foi contemplado com uma bolsa de 100% para fazer faculdade de medicina, curso o qual não teria jamais condições de fazer se não fosse essa bolsa. Cursou a faculdade de medicina durante seis anos, na Funorte na cidade de Montes Claros, com o término em 2017, no ano seguinte fez a especialização em Belo Horizonte.

Adquiriu muita experiência de vida e de profissão dentro dos 3 anos de formado, já morou em algumas cidades, mas Bocaiúva é seu lugar

“Nasci e cresci aqui, amo muito minha cidade, e quero ficar nem que seja aqui por perto o resto da vida”.

Sobre as ações sociais, o mesmo milita desde os seus 16 anos, muitas vezes só com a “mão de obra” porque não tinha o dinheiro pra ajudar tanto quanto queria, mas com o tempo e com a sua formação e até como forma de agradecimento, as ações se intensificaram de uma forma exponencial, realizando inúmeras ações sociais na cidade de Bocaiúva, projetos para crianças carentes (brincadeiras, pula pula, algodão doce, pipocas, balas, pirulitos) em vários bairros da cidade, consultas em comunidades carentes, em igrejas, saúde mental nas escolas (ele juntamente com sua namorada e psicóloga Karla Rosa) palestras, pelada solidária onde já arrecadaram (antes da pandemia) mais de 1 tonelada e 300 kg de alimentos pra pessoas carentes, são muitas as ações sociais que ele realiza junto com sua família e amigos, muitas pessoas já foram beneficiadas com suas ações e

“Isso não tem preço, é muito bom, me sinto muito feliz e privilegiado de poder ajudar o próximo e o fazer.

Amanhã, dia 26 de junho, Dr. Ramon utilizará de suas redes sociais, mais uma vez, pra colocar em pauta, através de uma live, mais um tema importante nesse período ímpar de pandemia que estamos atravessando.E em tempos de pandemia todos ficamos isolados e já estamos começando a acostumar com as novas rotinas, porém, existem pessoas que não conseguiram se adaptar e estão passando por várias dificuldades durante esse período, quais a as consequências para o corpo humano que se decorrem de um período de isolamento social tão grande como esse que a gente vem enfrentando?

Primeiro que é uma situação nova para todos, um novo vírus que é perigoso para todos independente de classe social, ou qualquer tipo segregação, então todo mundo está com medo, claro que alguns acham que é tudo mentira, que tem política envolvida (o que não descarto, pois acredito que tem sim políticos e empresas se beneficiando com isso tudo, porém o vírus é real e letal). E com isso as pessoas que antes tinham uma coisa chamada liberdade, estão privadas quase que integralmente dela, hoje as pessoas tem que ficar mais distante uma das outras, para o bem delas mesmas, então aí acho que começa a questão da ansiedade, tanto como uma forma natural de proteção (medo) dessa situação, mas também de quando tudo isso vai acabar vamos voltar a ter uma vida “normal”. As pessoas começam a ficar inquietas em casa, perca de memória, afinal os dias são quase que iguais… sudorese, insônia, medo de ficar sozinho, enfim, sintomas básicos de quem está com quadro de ansiedade ou iniciando.

O senhor vem atuando em vários trabalhos solidários, como o próprio bocaiuvaonline já noticiou aqui várias vezes, além de manter suas atividades normais como médico. Durante esse período de Pandemia o senhor pôde perceber o aumento significativo de alguma doença especificamente nesse período, ou algum dado que fosse interessante salientar nesse momento?

Sim, no meu consultório nas consultas que faço no dia a dia, percebi um aumento significativo no número de casos de doenças mentais de modo geral, porém mais especificamente, ansiedade, insônia e depressão tendo um aumento assustador, principalmente ansiedade. E com esse aumento de doenças mentais infelizmente temos uma consequência ruim que é o suicídio, os números nessa pandemia também são alarmantes, tanto que eu e a Karla fizemos uma live no Facebook falando exatamente de como prevenir o suicídio, foi pouco é verdade, foi a nossa forma de falar que estamos aqui, estamos de braços abertos pra ajudar quem quer que seja, sem julgamentos, oferecendo não um ponto final, mais sim uma vírgula pra que essas pessoas possam seguir em frente.

Na próxima sexta-feira, mais uma vez, o senhor abordará um tema interessantíssimo nas suas redes sociais, trazendo, através de uma live, mais conhecimento para a população bocaiuvense, e o tema dessa vez é “A ansiedade no período de isolamento social”, nos fale um pouco sobre essa live doutor, como surgiu o tema, público que o senhor pretende atender, etc.

A ideia surgiu primeiro pelo fato de termos uma demanda muito grande, dessa doença em específico, e principalmente por dois aspectos, primeiro pra oferecer uma ajuda pra essas pessoas que estão passando por esse momento difícil e não sabem como lidar com ele, e explicar que a ansiedade é algo “normal” desde que esta não atrapalhe sua vida diária, será uma live em que abordaremos mais a parte da ansiedade em tudo voltar ao normal e o que realmente temos de perspectiva no momento, vai ser muito interessante, vale muito a pena conferir.

Vivemos em uma cidade do interior de Minas, considerada ainda, por muitos, pacata, chegando agora à casa dos 50.000 habitantes, uma cidade pequena comparada a vários outras, incluindo os grandes centros, porém, estamos sofrendo do mesmo isolamento social que essas grandes cidades, na sua opinião, os impactos nos cidadãos, do isolamento social, são os mesmos em ambas as cidades, ou o senhor salientaria alguma diferença?

Acredito que sejam diferentes, porque como já ressaltado, moramos em uma cidade pequena, onde conhecemos boa parte das pessoas que moram na cidade, sabemos de tudo que acontece por aqui, eventos, festas, as pessoas ficavam mais tempo nas ruas, na porta de casa, visitando os amigos, nos bares, academia e etc, hoje infelizmente não temos mais isso, mas claro, nesse momento se faz necessário para proteção de todos. Mas acredito sim, que o impacto nas cidades menores até pela questão econômica é muito maior.

Todos nós esperamos que o mais cedo possível tudo isso possa passar e logo voltaremos às nossas atividades normais e o isolamento social terá fim, entretanto, sequelas ficarão em todos nós. Como o senhor imagina um cenário clínico no cidadão após esse período, como o senhor vê a nossa sociedade pós pandemia?

Eu vejo o final da pandemia como algo de aprendizado, porque as pessoas vão entender que nem tudo na vida é ter dinheiro, as pessoas vão começar a valorizar as coisas simples da vida que agora estão privadas como por exemplo dar um abraço na avó, na mãe e pai que talvez sejam do grupo de risco, as pessoas passaram a cuidar mais da saúde, ter mais higiene, principalmente com as mãos, principal meio de contaminação do vírus. Acho que vamos sair de uma “crise” mais fortes, mais sábios e principalmente mais humildes, valorizando ainda mais os princípios éticos da sociedade.

Mais uma vez, o bocaiuvaonline agradece ao Dr. Ramon Apolinário pela atenção dispensada à nós e comprometimento com o bem estar da população da nossa querida Bocaiuva.

Gostaria de agradecer ao Bocaiuvaonline, por mais essa oportunidade, quero dizer que acompanho sempre o trabalho de vocês, e vocês estão de parabéns, que Deus continue abençoando vocês, e sempre que e eu puder ajudar contém comigo, que Deus possa iluminar cada família no mundo inteiro. Não percam a live na sexta feira com novidades bacanas demais (cenário novo e etc), live que esperamos ajudar ou orientar o máximo de pessoas possíveis. Deixo-me aqui sempre a disposição para eventuais dúvidas ou direcionamentos para eventuais tratamentos.

Dúvidas, sugestões ou críticas, entrem em contato.
Obrigado

Redes sociais;
Instagram @Ramon.Apolinario
Facebook
Ramon Apolinário
Fã Page
Ramon Apolinário
Whatsapp
(38) 9 8421-9162