“E O SALÁRIO Ó…”

Presidente da Câmara de Vereadores de Bocaiuva responde questionamentos sobre diferença de salários para os futuros efetivos pelo Concurso Público da Casa das Leis

A Câmara de vereadores de Bocaiuva, está atendendo uma das maiores reivindicações da população, a realização do Concurso Público para provimento de vagas efetivas. Previsto desde 2015, quando, segundo o Ministério Público (MP), foi assinado um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), a Casa de Leis, voltou a falar sobre o tema, somente no ano de 2017 e, assinou o contrato de realização do evento, no início do ano de 2020, com previsão de trinta (30) dias para a divulgação do edital. Isso não foi possível devido a decretação da pandemia do novo coronavírus, em Março de 2020.

Na última terça-feira (05), a COTEC/FADENOR, Empresa responsável pela elaboração do cronograma de atividades do Certame público, divulgou o edital que, disponibiliza treze (13) vagas, com remuneração que pode chegar até R$ 3.000,00 (três mil reais).
Porém, conforme levantamento, as remunerações estão bem abaixo das que são praticadas hoje. Ou seja, quando o cargo é indicado pelo vereador, o valor é bem maior do que o disponibilizado para os futuros efetivos.

Diante deste impasse, esse Jornalista procurou o Presidente da Câmara, o vereador Odair Sorriso (AVANTE), buscando uma explicação sobre os critérios utilizados para as reduções salariais. Sorriso disse que apenas deu continuidade ao Projeto já existente. “… sobre seu questionamento do salário do concurso, eu dei seguimento no projeto e está tudo no edital”, declarou o Chefe do Poder Legislativo.

O edital gerou outra indagação, desta vez sobre o salário oferecido para vigilantes. De acordo com a categoria, o piso salarial não está sendo respeitado no Concurso.

ENTÃO…

A Câmara de vereadores de Bocaiuva, merece aplauso por, finalmente, dispor-se a realizar o concurso público, mas, é necessário que haja uma explicação plausível a tamanho despautério. Não dá para entender o salário sair de mais de seis mil reais, para um cargo indicado pelos edis, para pouco mais de dois mil reais para quem passar no concurso, para a mesma vaga. Alguém precisa explicar. Se o Presidente seguiu o que estava, quem elaborou o Projeto? Se os elaboradores do Projeto, achavam que o salário era alto, por quê nao propuseram a redução de imediato? Se o atual Presidente leu o Projeto, por quê não propôs a mudança? Os parlamentares indicam os cargos, muitas vezes, em troca de apoio à eleição do Presidente daquela Casa e tem a obrigação de explicar este absurdo.
É ISSO AÍ!

Por William Macedo