Cruzeiro prioriza Mineirão, mas mapeia cidades do interior em caso de veto da Prefeitura de BH

 Cruzeiro prioriza Mineirão, mas mapeia cidades do interior em caso de veto da Prefeitura de BH

Nova Lima, Sete Lagoas, Varginha e Uberlândia são cidades estudadas pelo clube celeste caso não tenha liberação, por causa da pandemia, para realizar partidas em Belo Horizonte

O Cruzeiro já mapeia possíveis destinos caso não possa atuar em Belo Horizonte quando o futebol retornar, em 26 de julho. Um veto a partidas na capital foi sinalizado pela PBH após o anúncio da retomada do Mineiro e pode se confirmar caso o quadro da pandemia do novo coronavírus não melhore. Entretanto, a ideia principal da diretoria celeste é que o time atue no Mineirão. Isso a um mês da data projetada para início da Série B do Brasileiro.

Quem comentou sobre o assunto, em entrevista à Globo, foi o gerente de futebol da Raposa, Pedro Moreira. Ele disse que o clube vem mantendo contato constante com as autoridades para viabilizar os jogos no Gigante da Pampulha.

– Essa é a nossa expectativa. Nosso presidente está em conversas diárias com o governo, com a prefeitura, pra gente analisar a melhor forma dos jogos se iniciarem. E, tudo correndo bem, com a segurança devida, a gente começar no Mineirão os jogos – disse Moreira.

O Cruzeiro precisa entrar em acordo com o Mineirão, que já sinalizou abertura para negociar melhores condições durante a pandemia. Caso não seja possível jogar em Belo Horizonte, o clube quer atuar na região metropolitana da capital, facilitando logística e impedindo que haja um desgaste maior dos atletas. É o plano B. O clube já recebeu o convite de atuar em Sete Lagoas, mas estuda outro destino:

– A gente espera que tudo ocorra da melhor maneira, que a situação de Belo Horizonte fique melhor, e a gente realize os nosso jogos em Belo Horizonte, no Mineirão. Mas estamos avaliando a situação de Sete Lagoas, de Nova Lima, são locais que a gente pode deslocar no dia do jogo pra facilitar também a nossa logística – destacou Pedro Moreira.

Há também o plano C: o interior de Minas Gerais. O gerente de futebol da Raposa citou dois destinos possíveis e que já foram utilizados pelo clube em anos anteriores.

“Tem possibilidade de Varginha, tem possibilidade de Uberlândia também, mas a gente novamente espera que tudo corra bem e a gente possa estar usando o Mineirão, que é a nossa casa aqui em Belo Horizonte” – Pedro Moreira.

No futuro…

E caso, no futuro, pensando nas competições nacionais, o Governo de Minas não permita a realização de partidas no estado? O Cruzeiro também estuda cidades de outras localidades e já havia mapeado alguns locais, antes da liberação do Estadual.

– A gente tem conversas diretas com algumas praças também pra analisar essa questão. Com certeza essas que você citou são possibilidades (Brasília e Cariacica), mas a gente vai aguardar as definições do governo e da prefeitura pra gente analisar, junto com a tabela que a CBF soltar, a melhor logística pra gente, e aí definir as melhores praças pra gente realizar os jogos – finalizou Pedro Moreira.