Conselho do Patrimônio Histórico Cultural de Bocaiúva manifesta preocupação com obras da duplicação da BR-135

o Conselho reconhece a importância das obras de duplicação e ampliação da BR, não obstante, ressalta-se que as intervenções urbanísticas nos referidos trechos limítrofes à cidade, devem ser analisadas

No dia 16 de Abril, Bocaiuva recebeu a ilustre visita do governador Romeu Zema para dar a ordem de início à ordem de duplicação da BR-135 que é compromisso contratual da concessionária ECO-135, que administra a rodovia, no trecho que liga Bocaiuva à Montes Claros.

A obra que há muito tempo é esperada pelo moradores de Bocaiuva e região, pois além de facilitar e agilizar o acesso à Montes Claros, que é a principal cidade na macrorregião norte, ainda contribuirá para a diminuição considerável de acidentes no trecho que atualmente é muito perigoso e tem ceifado a vida de inúmeros motoristas e passageiros.

Mesmo estando ciente que as obras trarão desenvolvimento econômico e melhorias para o tráfego rodoviário, o que é de grande valia para o Norte de Minas o Conselho de Patrimônio Histórico e Cultural (CODEPAHC) totalmente engajado e que é composto por 5 Arquitetos, e por mais 3 agitadores culturais, acredita existirem alguns pontos de importante relevância que devem ser abordados e discutidos antes da realização das obras, que impactarão diretamente na cidade de Bocaiuva, como nos explica a Josimeiry De Paula Santos atualmente Presidente do CODEPAHC.

O Conselho tentou, através de duas reuniões com a Empresa Eco135, que administra a rodovia, solicitar estudos de georreferenciamento e laudos dos impactos socioambientais que ocorrerão com a duplicação da BR 135 e os quais poderão atingir bens patrimoniais paisagísticos a exemplo da nascente da Cachoeira do Sumidouro, como os documentos obtido foram inconclusivos, pois demonstram que não haverá impacto no patrimônio histórico, porém não foi conclusivo a questão ambiental que pode ser afetada, o CODEPAHC entrou em contato com a Câmara Municipal de Vereadores de Bocaiuva.

O Codepahc solicitou à Câmara Municipal de Bocaiuva uma reunião no dia 15/09/21, haja visto que, estamos desde maio tentando um diálogo com a Empresa Eco 135 frente às obras de intervenção na rodovia que corta a nossa cidade e até o presente momento a Eco 135 tem se mostrado inflexível.

Josimeiry de Paula Santos

Durante a reunião entre CODEPAHC e Câmara Municipal foram apresentados questionamentos referente aos projetos apresentados pela ECO135 referente à duplicação e apresentado estudos que diminuiriam ou acabariam de uma vez por todas com problemas futuros que possam vir a surgir mediante implantação da obra.

Entretanto, através de um estudo minucioso que os Conselheiros realizaram sobre a criação de um viaduto de alto tráfego que será implantado na entrada da cidade de Bocaiúva, nós, os moradores, passaremos por inúmeros transtornos diários, uma vez que, um viaduto passará literalmente por cima da cidade. Como é sabido de todos, nas grandes cidades em que obras viárias como estas se tornam locais inseguros e muitas vezes moradias para pessoas desabrigadas. Além disso, detectamos que, a vista para o Senhor do Bonfim no bairro Zumbi será comprometido, já que esse viaduto será uma pista elevada, ou seja, a comunidade, principalmente os moradores dos bairros próximos à Br 135 precisa ter conhecimento desses impactos socioambientais e urbanísticos. Sendo assim, fica aqui o nosso apelo às autoridades para que nos escutem e dialoguem conosco e com toda sociedade bocaiuvense

Josimeiry de Paula Santos

Como pode ser lido e observado no documento anexo na íntegra abaixo, o conselho se faz atuante abordando os pontos do projeto apresentado pela ECO135 que julga serem impactantes em nossa cidade e apresenta possíveis soluções para os mesmos. O CODEPAHC encaminhou ofício ao Setor Jurídico da Prefeitura Municipal de Bocaiuva, assim como também para o gabinete do Prefeito Roberto Jairo Torres, e infelizmente não obteve nenhuma resposta até o momento.

Por Sidney Ribeiro