Com novas saídas, Atlético-MG reduz legião de estrangeiros no clube para cinco jogadores

 Com novas saídas, Atlético-MG reduz legião de estrangeiros no clube para cinco jogadores

Lista ainda tem o afastado Juan Cazares, que só cumpre contrato até dezembro para dizer adeus ao Galo; dos cinco gringos, apenas três são aproveitados por Sampaoli

Nesta semana, o Atlético-MG sacramenta as saídas do paraguaio Ramón Martínez e do lateral Lucas Hernández. Serão, com isso, menos dois jogadores estrangeiros com contratos atrelados ao Galo, ainda que as transferências do paraguaio e do uruguaio sejam por empréstimo. Agora, a lista de “gringos” do Galo está reduzida a cinco nomes, sendo que apenas três são efetivamente usados por Sampaoli.

Durante a pandemia, houve saídas e entradas de atletas de outras nacionalidades. Num determinado momento, a concorrência pelas cinco vagas máximas de estrangeiros a cada jogo do Brasileirão estava acirrada. Eram seis postulantes: Juan Cazares, Rómulo Otero, Dylan Borrero, Jefferson Savarino, Alan Franco e Junior Alonso. Agora, efetivamente, são três internacionais usados pelo técnico argentino.

Juan Cazares não jogará mais pelo Galo, e cumpre o contrato até o fim de dezembro para se despedir oficialmente. Otero, caro para a folha salarial e reserva, foi para o Corinthians por empréstimo com duração de 12 meses, mesmo período em que o contrato vence no Atlético.

Dylan, com apenas 18 anos, treina com os titulares, mas segue fora da lista de relacionados. Savarino luta por vaga no time, tendo sido ponta titular absoluto há pouco tempo. Já Alan Franco virou protagonista e conquistou a vaga que Junior Alonso detém desde que chegou, tendo participado de todos os jogos pós-retorno das partidas.

Antes da volta dos jogos, três gringos foram comunicados que não mais seguiriam no clube. Além de Martínez (emprestado ao Coritiba) e Hernández (cedido ao Cuiabá), o argentino Franco Di Santo rescindiu o contrato.

A legião estrangeira do Atlético-MG, que foi sendo reduzida, tende a aumentar. O Galo busca reforços para o ataque e, caso não encontre peças com preços acessíveis no mercado brasileiro, irá esperar a janela internacional do Brasil reabrir em outubro, para acionar o mercado sul-americano.

Fonte: GE