Com Arena, gestão e torcida, Menin projeta o Atlético-MG entre maiores potências mundiais

 Com Arena, gestão e torcida, Menin projeta o Atlético-MG entre maiores potências mundiais

Principal investidor alvinegro garante ainda que clube não vai repetir erros do rival Cruzeiro

Responsável por colocar dezenas de milhões no Atlético-MG em 2020, Rubens Menin, empresário, parceiro e conselheiro do clube, projeta o Galo entre as maiores potências do futebol mundial em poucos anos. Para isso, um planejamento está em curso. A base dele é gestão. Reorganizar as combalidas contas do clube. Aliado a isso, vem a estrutura e o apoio do torcedor.

– O Atlético tem tudo para ser (uma potência mundial). O Atlético tem torcida enorme, um centro de treinamento que é o melhor do Brasil, com oito campos, vai ter estádio próprio, sem dívida, o que é importante, vai ser uma arena totalmente paga. A gente espera que daqui a dois anos a gente esteja inaugurando contra um time desses, Barcelona, Real Madrid, Boca – disse Menin, que citou as categorias de base também como pilar do projeto, durante live no Canal do Nicola.

“Uma potencia do futebol mundial. Se esse plano for feito, o Atlético tem tudo para ser conhecido no mundo todo. Você chegar na China e o pessoal comprando camisa do Atlético igual do Real Madrid.”

O estádio do Atlético começou a ser construído este ano. Ao mesmo tempo em que ergue a casa nova, o clube tenta respirar financeiramente, já que a dívida total supera R$ 740 milhões. Uma reformulação administrativa foi iniciada.

“Quem não tiver planejamento financeiro, está fora do jogo”

Apesar da enorme dificuldade nas finanças, o Galo tem investido alto no time. Para isso, conta com os empréstimos de Menin. O investidor garante que o Atlético não vai seguir o caminho do rival Cruzeiro e se afundar em uma crise.

– Se esse plano for aprovado pelo Conselho, a chance de dar errado é zero. O Atlético não vai cruzeirar, nem gosto de falar isso, porque não é bom. Mas não vai. A gente aprende com exemplo ruim. O que o Cruzeiro gastou de dinheiro com jogador caríssimos que nem jogaram, time inchado, salários altíssimos. O Atlético já cortou custo administrativo para 1/4 do que era. O Cruzeiro era 12 vezes maior do que o Atlético é hoje.

Fonte: GE