Ciclo

 Ciclo

Felipão completa “ciclo” de centroavantes, que seguem ser dar resposta no Cruzeiro em 2020

Marcelo Moreno, Sassá e Thiago foram utilizados como titulares pelo treinador, que precisou alterar esquema em meio à má fase dos homens de referência no ataque

Ninguém consegue se firmar como centroavante no Cruzeiro. Foi assim com Enderson Moreira, com Ney Franco e, agora, com Luiz Felipe Scolari. Com Adilson, as opções eram escassas, e Moreno era titular absoluto, mesmo que com rendimento ruim. Felipão já usou todos os disponíveis como titulares. Zé Eduardo está afastado do elenco principal.

O último a ganhar essa oportunidade de iniciar um jogo foi Thiago, na derrota contra a Ponte Preta, por 2 a 1, na última terça-feira. O garoto, que começou o ano como titular, participou de outras quatro partidas com o treinador e ainda não marcou gols. O último dele, aliás, foi no dia 26 de julho, ainda no Campeonato Mineiro.

O início de Felipão no Cruzeiro teve Marcelo Moreno como dono do comando de ataque. Foi titular em cinco dos seis primeiros jogos, sendo que a ausência foi por suspensão. Moreno tem três gols em 23 partidas na Série B, sendo um deles marcado com Scolari, na vitória por 2 a 0 sobre o Paraná, dia 30 de outubro.

Contra o Guarani, em função da ausência do boliviano, Sassá ganhou a primeira e única oportunidade como titular com Scolari. Teve outras duas chances, e nada de balançar as redes. Ele não marca desde 19 de agosto, quando ainda defendia o Coritiba por empréstimo. Neste retorno ao Cruzeiro, disputou dez partidas.

Felipão sempre foi adepto ao uso de centroavantes em suas equipes. No entanto, em meio à péssima fase dos cruzeirenses, o treinador mudou o esquema, passando a atuar sem homem de referência, com Sobis ficando mais adiantado.

E deu resultado. O atacante marcou cinco gols e deu duas assistências em nove atuações nesta segunda passagem pelo Cruzeiro. Mesmo com ele, no entanto, o ataque tem sofrido de um problema que tem muito a ver com os demais setores: a dificuldade de criação.

Com Enderson Moreira, que comandou o time nas oito primeiras rodadas da Série B, Marcelo Moreno e Thiago ganharam chances como titulares. Sassá, à época, não estava no elenco. Com Ney Franco, Moreno e Sassá foram utilizados em partidas desde o início.

Fonte: GE