Capacidade aeróbica para um melhor rendimento no Treinamento de Força

O aumento da capacidade aeróbia pode ser um aliado para o treinamento de força muscular. Isso é um tema bastante discutido, especialmente entre aqueles que menosprezam o treino aeróbio em determinadas fases do treinamento de força ou não são bem pontuadas na rotina do treino e isso acaba prejudicando por dois fatores: treinamento concorrente ou excesso de treino aeróbio (emagrecimento).

Ao que diz respeito sobre o treinamento concorrente, que é aquele em que você acaba o treino de força muscular e vai para o aeróbico ou o contrário, estudos já mostram que depende do grupamento treinado no dia e qual o aparelho a ser usado na mesma sessão de treino e a magnitude de efeito que se busca entre eles pode haver prejuízos ou não.

O treino aeróbio é importante, pois aumenta a sensibilidade à insulina, aumenta a capacidade de queimar gordura e flexibilidade metabólica. Sobretudo, pensando em melhorar o sistema de fornecimento de energia e recuperação do músculo, o papel mitocondrial é importante. E cardio é biogênese mitocondrial. Indivíduos que querem emagrecer ou hipertrofiar, precisam sim fazer o treino aeróbio, porém, deve ser bem pontuado para ser otimizado e não causar o efeito concorrente, como já foi dito.

As mitocôndrias dos músculos de indivíduos treinados exibem controle respiratório normal e maior capacidade de fosforilação oxidativa, resposta adaptativa da cadeia respiratória que por sinal, atua no processo de produção e ressíntese energética, inclusive o sistema anaeróbio (Experimental physiology, 2016).

As evidências sugerem a melhora na produção da velocidade de recuperação, a redução da fadiga precoce e também da melhora na produção de energia. Além disso, outras evidências de estudos no tecido muscular esquelético de humanos, mostram o aumento tanto no tamanho quanto no número de mitocôndrias, ou seja, quando comparamos indivíduos treinados e não treinados, a produção de lactato é menor em treinados. (American Journal of Physiology-Endocrinology and Metabolism, 2014).

O treinamento de força apresenta resultados mais expressivos de volume e intensidade (carga – lembrando que a percepção subjetiva de esforço (PSE) não é considerada na musculação) quando o indivíduo é bem condicionado, porque os treinados aerobicamente são mais resistentes a fadiga no treino resistido quando comparados aos descondicionados. Além disso, essa condição possibilita velocidades mais altas de recuperação do sistema energético, melhorando sim, o rendimento do treino com pesos.