Bocaiuva pode perder território quilombola

 Bocaiuva pode perder território quilombola

CRDH Norte visita território tradicional quilombola ameaçado de despejo em Bocaiuva

A visita foi realizada em razão de iminente conflito entre a comunidade e uma suposta herdeira de uma fazenda localizada no território tradicional, com observância das recomendações das autoridades sanitárias para a não propagação do COVID-19.

Representantes do Centro de Referência em Direitos Humanos – CRDH Norte, da Cáritas Arquidiocesana de Montes Claros, da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e a presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputada estadual Leninha (PT/MG), estiveram na comunidade quilombola Sítio, localizada na zona rural de Bocaiuva.

A visita aconteceu devido a inúmeras denúncias realizadas pelos moradores da comunidade de que uma suposta herdeira de uma fazenda, localizada no território tradicional, estaria planejando despejá-los.

Durante a Visita, os moradores relataram a história do quilombo e apresentaram o documento da Fundação Cultural Palmares que reconhece a tradicionalidade da comunidade. No entanto, de acordo com eles, o INCRA ainda não realizou os estudos para expedir o título de propriedade em favor da comunidade e, em razão disso a herdeira da fazenda tem proposto que os quilombolas siam do território.

O CRDH Norte e demais representantes que participaram da visita estão acompanhando a demanda e têm orientado a comunidade quanto aos seus direitos.