Atrasos, filas e dúvidas marcam início da vacinação contra a Covid-19 de idosos com mais de 85 anos no Recife

Apesar do agendamento, idosos reclamaram da demora para ser imunizados nos pontos de drive-thru nesta quarta-feira (27). Em salas de vacinação como a no Hipódromo, queixa foi para remarcar atendimento.

Três pontos de drive-thru foram disponibilizados no Recife, a partir desta quarta-feira (27), para vacinar contra a Covid-19 idosos com mais de 85 anos, sem que eles precisem sair do veículo. No entanto, houve atrasos nos atendimentos, filas e dúvidas sobre a necessidade de agendamento, além de problemas em algumas salas de vacinação.

Bocaiuvaonline

Um desses pontos é o Parque da Macaxeira, na Zona Norte do Recife, onde o primeiro carro chegou por volta das 5h. A Secretaria de Saúde do Recife (Sesau) informou que o local recebeu 120 doses para aplicação nesta quarta-feira (27).

Francisca de Assis, de 88 anos, foi a primeira a ser vacinada, e contou à TV Globo que já estava cansada, mas tinha muita fé que a pandemia iria acabar.

Na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), na Zona Oeste da cidade, outro ponto de vacinação drive-thru foi montado. Já no Geraldão, no bairro da Imbiribeira, na Zona Sul do Recife, diversos idosos e parentes reclamaram da demora no entendimento.

Eles alegaram que tinham marcado a imunização para 7h, mas, quando chegaram ao local, foram informados de que só começaria às 7h30.

“A agenda pode ter aberto a partir de 7h, mas ficou acordado que seria a partir de 7h30. As pessoas que agendaram às 7h, 7h20, não terão nenhum prejuízo. Elas vão poder entrar e se vacinar”, explicou a secretária executiva de gestão em saúde do Recife, Andressa Barkokebas.

No Geraldão, também funciona um dos centros de testagem para Covid-19 da capital pernambucana. A entrada para a testagem, no entanto, é diferente daquela adotada para a campanha de vacinação.

A secretária também reforçou a necessidade do agendamento para receber a vacina da Oxford/AstraZeneca contra a Covid-19 (confira passo a passo mais abaixo).

“É imprescindível que haja o cadastro no site do Conecta Recife e haja o agendamento pelo aplicativo do Conecta Recife. Com isso, a gente evita a aglomeração e evita a exposição do idoso. No drive, a gente precisa também que seja feito o cadastro no aplicativo e um agendamento com horário e local”, explicou.

Os idosos que não possuem acesso à internet e não têm parentes próximos que possam auxiliá-los devem ir até um dos centros de vacinação para fazer o seu cadastro e agendamento. De acordo com a secretária, não há demanda espontânea, ou seja, não tem como chegar no local e ser vacinado, a não ser que haja horário disponível no agendamento, o que não é garantido.

“Todos devem ser cadastrados e agendados, mas as pessoas que tiverem dificuldade nesse agendamento podem procurar qualquer unidade da Atenção Básica de Saúde do Recife que os profissionais podem auxiliar nesse cadastro e nesse agendamento. Caso a pessoa tenha alguma limitação ou dificuldade com a internet e não tenha um parente que possa auxiliar, pode procurar um centro de vacinação que os profissionais vão poder cadastrar e agendar”, afirmou.

Problemas nos centros de vacinação

Para vacinar esse público prioritário, o Recife conta com 16.520 doses da vacina Oxford/AstraZeneca. Além desses três pontos drive-thru, a imunização ocorre em nove centros de imunização na capital pernambucana, com 65 salas:

  • Compaz Dom Helder Câmara, no Coque;
  • Unidade de Cuidados Integrais (Ucis) Guilherme Abath, no Hipódromo;
  • Escola Municipal Nilo Pereira, em Casa Amarela;
  • Compaz Miguel Arraes, na Caxangá;
  • Compaz Ariano Suassuna, no Cordeiro;
  • Escola Miguel Arraes de Alencar, na Estância;
  • Ginásio Geraldão, na Imbiribeira;
  • Escola Nadir Colaço, na Macaxeira;
  • UPA-E Fernando Figueira, no Ibura.

G1 circulou por alguns desses locais na manhã desta quarta-feira (27). Paulo Soriano levou a mãe, Maria do Socorro Soriano, de 87 anos, à Ucis Professor Guilherme Abath, no Hipódromo, depois de não ter conseguido desmarcar a data agendada no sistema.

“Tínhamos marcado para a quinta [28], mas ela tem um procedimento dermatológico no mesmo horário. Queríamos remarcar pra hoje, mas não conseguimos e viemos para cá. E agora a gente não consegue”, disse.

O mesmo problema foi enfrentado por Aloízio Marinho, que tentou fazer o cadastro da mãe, Amara Lúcia, de 87 anos, e não conseguiu.

“Eu vim para a unidade porque o secretário André Longo disse que as pessoas poderiam vir nas unidades caso tivessem dificuldade. Agora é uma burocracia danada, porque vou ter que voltar para casa e buscar um comprovante de residência para vacinar a minha mãe. Ela está no carro, não consegue se locomover direito, é um transtorno”, afirmou.

Na Escola Municipal Nilo Pereira, em Casa Amarela, equipes estavam posicionadas do lado de fora para sinalizar a entrada e facilitar o acesso de idosos. Segundo a gerente do Distrito Sanitário 3, Cristiane Penaforte, a movimentação foi maior por volta das 7h, mas a vacinação ocorreu com tranquilidade.

“Muitos idosos preferem chegar cedo aos lugares, então alguns que estavam agendados para as 8h chegaram às 7h. Todos estavam muito ansiosos para se vacinar”, disse.

Casados, Carmen de Carvalho de Menezes, de 90 anos, e João Pires de Menezes, de 95 anos, não tiveram dificuldades para receber a primeira dose da vacina Astrazeneca/Oxford na escola. Os dois foram diagnosticados com a forma leve da Covid-19 em novembro de 2020 e, para Isolda Carvalho, filha deles, o momento atual é de alívio.

“Esse é um dia histórico. E o dia da segunda dose vai ser mais histórico ainda, mas não vamos descuidar. Vamos continuar higienizando as mãos e usando máscara até que a população esteja vacinada por completo”, declarou.

Nas salas de vacinação, os profissionais de saúde que atuaram nos cuidados de pacientes infectados pelo novo coronavírus passaram a compartilhar o mesmo alívio de quem recebe as doses do imunizante. “Isso traz a esperança de que a gente vai vencer tudo isso”, disse a assistente social Vânia Veruschka.

De acordo com Cristiane Penaforte, é preciso diferenciar cadastramento de agendamento, já que o cadastro não garante o dia da imunização. “Se as pessoas tiverem alguma dificuldade, existe uma estrutura montada na quadra da escola para ajudar quem não conseguiu fazer o agendamento em casa”, informou.

Fonte: G1