Após punição da Fifa ao Cruzeiro, Enderson estima “escalada” até o G-4 por 10 rodadas

 Após punição da Fifa ao Cruzeiro, Enderson estima “escalada” até o G-4 por 10 rodadas

Raposa começará a Série B com seis pontos negativos por causa de uma dívida na Fifa, e técnico pede paciência ao torcedor: “O Brasileiro não é uma corrida de velocidade”

O objetivo do Cruzeiro na temporada é claro: voltar para a Série A do Brasileiro. E a missão acabou ficando mais complicada depois de o clube ser punido pela Fifa com a perda de seis pontos em função da dívida com o Al Wahda pelo empréstimo do volante Denilson. O técnico Enderson Moreira está otimista com o nível do time nos treinos, mas alerta que o torcedor precisará ter paciência no início da Série B.

A competição vai começar no dia 8 de agosto (estreia contra o Botafogo-SP) e, se o cruzeirense olhar para a tabela, verá o time em último, com seis pontos negativos. Situação, esta, que fará o Cruzeiro demorar mais para chegar ao grupo que dá acesso à elite nacional.

Enderson alerta que a Raposa poderá conviver com a proximidade do Z-4 por “seis ou sete rodadas” e que essa caminhada até os primeiros colocados pode levar até um quarto do total de jogos da competição.

– O torcedor tem que entender que nós vamos ficar, talvez, cinco, seis, sete rodadas convivendo com uma zona próxima do rebaixamento. É uma coisa que teremos que administrar. Não vamos simplesmente fazer dois jogos e vamos sair. Isso não vai acontecer. Isso vai ser com a sequência. (…)

“É um momento que a gente sabe que é difícil, que a gente sabe que pode durar até 10 rodadas a gente não entrar numa zona de classificação”

Experiência na Série B, Enderson tem. E de sucesso. O treinador foi campeão com o Goiás, em 2012, e com o América-MG, em 2017. Ele alerta para a importância de fazer um campeonato regular, com uma arrancada na hora certa. O mais importante não é começar entre os primeiros, mas terminar entre eles.

“É importante a gente entender que o Brasileiro, tanto da Série A quanto da Série B, não é uma corrida de velocidade”

– Não é aquela competição que você tem que sair na frente, para garantir que vai chegar na frente. Eu, quando tive oportunidade de ganhar essa competição duas vezes, a gente nunca saiu na frente. A gente sempre teve uma posição intermediária e, no momento certo, a gente conseguiu pegar essa dianteira e conseguiu se manter ali e não perder mais.

Nível atual da equipe

Enderson foi oficializado pelo Cruzeiro no início da pandemia do novo coronavírus e já com a paralisação do futebol. Depois disso, ficou mais de dois meses fazendo acompanhamento remoto aos jogadores, com cada um fazendo as atividades em sua casa. Os treinos presenciais só voltaram no dia 26 de maio.

Por causa da paralisação do futebol, o início foi de trabalhos com os jogadores divididos em pequenos grupos. Os treinos com todo o elenco só voltaram a acontecer em 15 de junho. Um mês depois, Enderson acredita que o time terá condições de iniciar a Série B em bom nível:

– É claro que não é a situação ideal. (…) Mas acho que estamos conseguindo chegar num nível muito bom. Claro que a gente não está numa situação ideal. O ideal era que a gente pudesse estar fazendo alguns jogos, que pudéssemos intercalar essa preparação com os jogos. Não foi possível. Estamos dentro daquilo que a gente tem como perspectiva, como planejamento. Acho que estaremos num bom nível, mas não no nível ideal competitivo. Isso só no decorrer dos jogos.

Antes do Brasileirão, o Cruzeiro terá pela frente a reta final do Campeonato Mineiro. A volta acontecerá no próximo dia 26, contra a URT, no Mineirão. A equipe encerrará a primeira fase como visitante, diante da Caldense. Atualmente, a Raposa está em quinto lugar no Estadual, com 14 pontos, a três da zona de classificação para as semifinais.

Fonte: GE