ÂNIMOS EXALTADOS

Reunião da Câmara de vereadores de Bocaiuva é marcada por bate bocas e agressões verbais

A Câmara de Vereadores de Bocaiuva, nesta legislatura, tem ignorado o debate de ideias em plenário e sua importância para se construir algo duradouro. Com o objetivo de ter suas necessidades discutidas pelo seus representantes, o cidadão, de forma democrática, escolhe-os, confiando-lhes o poder de decidirem o seu futuro.

banner

Porém, na sessão ordinária, realizada na noite de segunda-feira (18), alguns vereadores, com os ânimos alterados, substituiram o bom debate de ideias, por ataques verbais contra os colegas, trocando “gentilezas” entre si.

No centro do primeiro desentendimento, está a prestação de contas do governo da ex-prefeita Marisa Alves (PSB), referente ao ano de 2019 que, recebera Parecer favorável do Tribunal de contas do estado e também da Comissão de Orçamento, Finanças e Tomadas de Contas, da Câmara Municipal. O vereador Odair Evangelista dos Santos, o Cantor (REPUBLICANOS), pediu mais um tempo para examinar o Projeto, alegando existir pontos na prestação de contas que deveriam ser melhor analisados, pois, segundo Odair, apontam para irregularidades: “Tenho certeza que os nobres companheiros não leram todo o parecer do Tribunal de Contas”, declarou o Cantor.
Depois de muito bate-boca sobre a legalidade do pedido de vista, com ofensas às funções e, infelizmente, às pessoas de alguns edis, o assunto foi submetido a plenário e concedido a vista ao requerente.

Ainda mais tenso, foi a lamentável cena de ataques verbais, entre membros da mesa diretora. O Presidente Odair José dos Santos, o Sorriso (AVANTE), submeteu à votação, um projeto do Executivo que prevê contratações de funcionários, por tempo determinado, quando foi indagado se este projeto não seria o mesmo do pedido de vista. O Presidente da Casa, respondeu com um alerta aos vereadores, para se ter mais atenção ao que acontece no Plenário. Autor do questionamento, o vereador Adalberto Fernandes (DEM), sentiu-se ofendido e, com o dedo em riste começou a gritar: “Você precisa me respeitar” e “Me respeite…anta”, Adalberto não poupou o colega vereador, quase chegando à agressão física.

ENTÃO…

No primeiro caso, o Presidente Odair Sorriso, não queira conceder mais tempo para se examinar o projeto, alegando o esgotamento do tempo previsto pelo Tribunal de Contas, para a votação.
No segundo, o vereador Adalberto, pode ter confundido os projetos, fez a pergunta, sofreu a reprimenda e não gostou.
Em ambos os casos, vê-se a falta de traquejo, de argumentos convincentes; ao invés disso, um destempero que, por pouco, teria conduzido aqueles que agem em nome do povo às vias de fato.
O destaque fica por conta do Presidente Sorriso. Apontado até por colegas, como alguém que tem o cargo, mas, não manda, uma espécie de Rainha da Inglaterra, Sorriso levantou a voz e desafiou: “a menos que cassem meu mandato, até 31 de dezembro, eu sou o Presidente.”

Egos inflados, nervos à flor da pele. Será que tudo aquilo foi por causa das simples perguntas e respostas? E o povo…tem que engolir?
É ISSO AÍ!

Por William Macedo