Agência reguladora dos EUA aprova uso emergencial da vacina da Moderna

 Agência reguladora dos EUA aprova uso emergencial da vacina da Moderna

Autorização vale para maiores de 18 anos. Eficácia do imunizante passa de 94%, e frascos podem ser mantidos a temperaturas maiores do que a vacina da Pfizer, o que facilita a distribuição.

A FDA — agência reguladora dos Estados Unidos equivalente à Anvisa — aprovou nesta sexta-feira (18) o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 fabricada pela empresa Moderna. O imunizante foi aprovado no país para maiores de 18 anos.
Na véspera, um comitê científico deu parecer favorável à vacina da Moderna com 20 votos a favor e nenhum contra, com somente uma abstenção. Para começar a ser distribuída nos EUA, a vacina ainda depende de aprovação do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

O presidente Donald Trump havia informado, nesta manhã, que a vacina da Moderna estava aprovada. Porém, a FDA — etapa necessária — ainda não tinha dado o aval ao imunizante. Após o anúncio oficial, Trump parabenizou a fabricante pelas redes sociais.

A vacina da Moderna foi aprovada com o imunizante da Pfizer-BioNTech já em uso emergencial nos EUA, o que permitiu a aplicação dos primeiros três milhões de vacinas esta semana no país, o mais afetado no mundo pela pandemia.

Ambas as vacinas Pfizer e Moderna usam moléculas de mRNA (ácido ribonucléico mensageiro) para fazer com que as células humanas gerem a espícula do coronavírus e, assim, evitar que o coronavírus grude.

As duas empresas usaram uma formulação ligeiramente diferente que resultou em requisitos diferentes de armazenamento refrigerado: -70°C para a Pfizer; -20°C para Moderna.

Uma diferença é que a Moderna solicitou a aprovação para maiores de 18 anos, enquanto a aprovação da Pfizer é para maiores de 16 anos.

A pequena empresa de biotecnologia sediada em Massachusetts fez parceria com cientistas do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos para desenvolver a vacina. Os trabalhos começaram em janeiro, logo após a China compartilhar o genoma do vírus SARS-CoV-2, segundo a agência France Presse.

A Moderna recebeu mais de US$ 2,5 bilhões do governo dos Estados Unidos para este projeto e prometeu entregar seis milhões de doses em uma primeira fase.

De acordo com testes clínicos com 30.400 voluntários, a vacina da Moderna é 94,1% eficaz na prevenção da Covid-19 em comparação ao placebo, com desempenho ligeiramente melhor em adultos jovens em comparação com idosos.

A FDA não encontrou “problemas de segurança específicos que impediriam a emissão de uma autorização de uso de emergência” após revisar todos os dados disponíveis.

Fonte: G1