Admiração mútua e paixão pela bola: o que esperar de Sampaoli e Diniz em Atlético-MG x São Paulo

 Admiração mútua e paixão pela bola: o que esperar de Sampaoli e Diniz em Atlético-MG x São Paulo

Reconhecidos pela ousadia no estilo de jogo, técnicos duelam pela terceira vez na carreira

Jorge Sampaoli, do Atlético-MG, e Fernando Diniz, do São Paulo, vão se enfrentar pela terceira vez na carreira no encontro entre mineiros e paulistas nesta quinta-feira, às 20h, no Mineirão, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

Nas suas próprias palavras: “o Santos, pela maneira como Sampaoli conduziu o trabalho dele, achava muito difícil de ser batido na Vila. Embora tenha sido empate, tivemos mais chances de ganhar do que o Santos”.

O primeiro encontro de Sampaoli e Diniz, no entanto, foi fora dos gramados. No congresso “Somos Futebol” da CBF, em abril do ano passado, palestraram juntos e expressaram a “visão de futebol”.

“Fernando é um técnico que propõe um futebol que eu gosto de ver”,
disse Sampaoli, em 2019.

Posse de bola, ataque sustentado, congestionar a área do adversário, coragem para quebrar linhas na transição da defesa para o ataque. Esses são ingredientes e produtos do trabalho de ambos.

Mas há diferenças na execução das ideias. Os times de Sampaoli são frenéticos e tentam se instalar o mais rapidamente possível no campo de ataque, usando muitas vezes cinco jogadores à frente para afundar os rivais e gerar espaço para quem inicia a construção.

Na mesma época, Fernando Diniz também foi instigado a falar de Sampaoli. Se mostrou um admirador do treinador do Atlético-MG e, mais do que isso, vê o argentino como aliado. Os embates com ele não necessariamente podem ser classificados pela palavra “contra”, mas também pela junção de ideias para enriquecer o esporte.

– Primeiro, um grande prazer, alegria. Poder ter um treinador do nível dele no Brasil. E poder jogar contra é sempre muito bom. Contra e com. Tentando construir um futebol melhor, mais bem jogado. O jogo foi muito bom – disse Diniz.

“O meu maior objetivo é mostrar que o futebol pode ser algo prazeroso e transporte isso para o público”, disse Diniz, durante o congresso da CBF em 2019.

Contrapontos

Atlético-MG e São Paulo estão em situações diferentes no Campeonato Brasileiro. O Galo começou de forma empolgante, com três vitórias nas três primeiras rodadas. Entretanto, teve duas derrotas e encara o Tricolor em franca recuperação. O time paulista venceu as últimas três rodadas, incluindo o clássico contra o Corinthians no último fim de semana.

Fernando Diniz, prestes a completar um ano no Morumbi, teve um reforço contratado pela diretoria do São Paulo: Luciano, com quem trabalhou no Fluminense. Embora não tenha indicado o nome do atacante, alvo antigo do próprio Tricolor, Diniz aprovou a contratação, na troca com o Grêmio por Everton.

Sampaoli é a antítese. Quase diariamente cobra reforços no Atlético. Desde que chegou, em março, o Galo contratou nove jogadores, sendo que oito foram após a pandemia que paralisou o futebol. Nenhum outro técnico teve mais reposição do que o argentino, que segue em busca de contratações.

Neste aspecto, ainda que tenha olhos para as categorias de base – convocando jovens para o banco de reservas – Sampaoli busca jogadores já prontos que adequem à sua filosofia.

Diniz é menos rock’n roll. Trabalha mais no campo de defesa até encontrar o caminho e não costuma abrir mão de ter sempre muitos jogadores próximos à bola. Ambos trabalham com espaços, mas Sampaoli agride mais.

Na visão de Sampaoli, Fernando Diniz é um adversário raro no Brasil que tenta duelar usando formatações parecidas.

– Temos visões do futebol parecidas. Nos atrai o jogo com a bola, depois há características diferentes entre ele e eu. Falei com ele no congresso da CBF, me pareceu uma pessoa que ama o jogo. Compartilhei futebol com ele e foi muito interessante. Me agrada muito por como sente e pratica o esporte – disse Sampaoli, após o primeiro duelo entre ambos em campo.

Fonte: GE